Glossário de Sapatos - Parte IV


Loafer: Por vezes também chamados "slip-ons," os “loafers” são, muito simplesmente, sapatos sem qualquer tipo de fecho e com saltos muito baixos, ou nenhuns. Este modelo é inspirado nos mocassins usados pelo nativos americanos, mas hoje em dia os estilos variam muito e alguns poucas semelhanças têm com o modelo original.

Mary Jane: Um modelo inspirado no tipo de sapatos que as crianças costumavam usar. A altura do salto e os estilos variam muito. O que os identifica é a tira que cruza o peito do pé, mas há modelos com várias tiras sobre o peito do pé. Geralmente têm bico redondo, mas há modelos com uma variedade de bicos.

Moccasim: Um sapato sem salto, totalmente feito de pele macia, com solado que se sobrepõe ao corte, usado originalmente pelos nativos americanos.

Mojari: Nome genérico que identifica um tipo de calçado étnico produzido na Índia e no Paquistão. Geralmente são feitos artesanalmente de pele tingida. O corte é feito numa única peça de pele ou tecido bordado ou decorado com metais, missangas, conchas, espelhos ou contas.

Monk Shoe: Um sapato com as orelhas sobrepostas à pala e que geralmente fecha com uma tira e uma fivela.

Mukluk/Kamik/Inuit: Originárias das tribos Inuit e Yupik do Árctico, são botas leves, confortáveis e quentes feitas de peles de animais com bastante pêlo. As suas principais características são: serem originalmente fabricadas com peles de rena, ou foca, com a parte do pêlo virada para dentro, e forradas com peles de coelho, lebre, raposa, etc. No exterior podem possuir também detalhes destas peles. Possuem biqueira arredondada que se molda ao contorno do pé. Hoje em dia há modelos com variações na forma, no solado e nos materiais utilizados.

Mule: Um sapato fechado na parte da frente, com uma biqueira mais fina e alongada, mas aberto atrás. Pode ter salto médio, alto ou em cunha e os materiais empregues na sua execução variam muito.

Okobo: Um modelo tradicional de calçado japonês, também conhecido por pokkuri, bokkuri ou koppori geta, muito semelhante ao Geta, pelo menos na parte superior. Possuem solado ou plataformas confeccionados a partir de blocos de madeira de salgueiro, tendo na planta uma grande cavidade, e na parte frontal um brusco afinamento de baixo para cima. O corte é composto por tiras em “V”.

Open-toed (Sapato Aberto): Sapato de mulher sem biqueira. Semelhante ao Peep-Toe, mas com uma abertura maior à frente. O estilo pode variar enormemente e aplica-se tanto a sapatos como a botas.

Oxford: Este modelo surgiu por volta de 1640 e foi adoptado pelos estudantes da Universidade de Oxford, de onde vem o nome. A sua principal característica é o traseiro e a gáspea sobreporem-se ao talão ou orelha. Fecha com atacadores e o salto, que originalmente era baixo, nos dias actuais pode ter salto baixo, médio ou alto.

Papete: Uma derivação da tradicional sandália, a sua principal característica são as tiras médias em material confortável, que podem ser de nylon, borracha, lona, e que deixam boa parte do pé à mostra. As tiras, responsáveis pela fixação ao solado, fixam-se tanto na parte dianteira como na traseira/lateral. O solado tem espessura considerável e macia, geralmente anatómica.

Peep-toe: Um clássico dos anos 40, a sua principal característica é possuir uma pequena abertura da ponta da gáspea, bem mais pequena do que nos Open-Toe.

Pirate boots: Este modelo ficou conhecido graças a Vivienne Westwood, que o incluiu a sua colecção pirata em 1981. Desde então, o modelo dela tornou-se um clássico, mas o estilo foi copiado diversas vezes ao longo dos tempos. Este modelo é identificado pelas muitas tiras e fivelas ao longo do cano.

Plataforma: Este modelo é originário da Grécia Antiga. As plataformas podem ser aplicadas aos mais diversos modelos. A sua principal característica são os solados bastante espessos geralmente superiores a 2 cm. Regra geral, os solados são inteiriços, podendo ser ou não em cunha. Quando a plataforma aparece somente na parte dianteira da sola, o sapato denomina-se “compensado”.

Pump: O Pump é, muito simplesmente, um sapato fechado. É um modelo clássico e intemporal, e, na verdade, bastante difícil de definir. Na sua forma mais básica, o Pump é um sapato com a gáspea e o traseiro fechados, com algum decote na frente da gáspea. O Pump clássico não possui costuras na gáspea, nem qualquer tipo de fitas, atilhos, fivelas ou tiras, mas é muito comum ver um Pump com tiras no tornozelo, ou em T ou mesmo Mary Jane. Hoje em dia, o Pump pode possuir qualquer tipo de biqueira, ou mesmo ser Open-Toe ou Peep-Toe. A altura do salto também varia bastante, desde o vertiginoso Stiletto ao amoroso Kitten Heel.

1 comentário :

  1. Venho convidar-te para participares no sorteio que estou a fazer no meu blog!!

    http://seferys.blogspot.com/2011/08/primeiro-sorteio-sigma.html

    Beijinhos

    ResponderEliminar

Obrigada por passares por aqui! Deixa o teu comentário. Os comentários serão respondidos na mensagem onde foram colocados.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...